Probióticos, Prebióticos e Simbióticos

Hoje em dia fala-se muito de alimentos probióticos e das “boas bactérias”. As mesmas que antes temíamos, mas agora sabemos que são nossas “amigas”.

Descobriu-se o papel do eixo cérebro-intestino e a sua importância para a saúde em geral, imunidade, absorção de nutrientes e até para as emoções. E que afinal não devemos viver num ambiente esterilizado para sermos saudáveis, e uma exposição aos micróbios ajuda o corpo a criar defesas.

O termo probióticos tem sido então muito utilizado, e juntamente com ele, surgem também outras palavras associadas, geralmente com uns “nomes esquisitos”, o que pode causar alguma confusão e até receio de fazer as opções corretas.

Vou tentar explicar de forma simples o que significa cada um destes termos: probióticos, prebióticos, simbióticos, psicobióticos e pós-bióticos.

Para entender todo o contexto será também necessário ter uma noção do que é microbiota intestinal e o papel dos probióticos, o que é tema de outro artigo que já escrevi.

Probióticos

Os probióticos são microrganismos que conseguem sobreviver ao longo do nosso tubo digestivo, até se juntarem as restantes bactérias já presentes, e em conjunto trabalhar a nosso favor.

Quer seja por produzir compostos específicos, ajudar a absorver e produzir nutrientes ou mesmo aniquilar a concorrência de outras bactérias patogénicas.

Como exemplo são os alimentos fermentados como os queijos, iogurtes, kefir, picles, entre outros.

Probióticos ou Probióticos - Miguel Figueiredo

Prebióticos

Os prebióticos são hidratos de carbono  não digeríveis (fibras) que funcionam como “alimento” para os probióticos.

As bactérias probióticas precisam de obter alimento e energia, e estas fibras estimulam o seu crescimento e atividade.

Encontram-se por exemplo na cebola, alho, sementes, tomate, vegetais e aveia, entre outros.

Simbióticos

Os simbióticos são a combinação de probióticos com prebióticos que atuam de forma sinérgica para favorecer o hospedeiro das bactérias, neste caso, nós.

O termo é mais utilizado a nível de suplementos mas, se por exemplo conjugarmos um iogurte fermentado com farelo de aveia ou sementes, temos um alimento simbiótico.

Psicobióticos

Os psicobióticos são uma nova categoria de probióticos, cujas estirpes de bactérias têm demonstrado em estudos, produzir benefícios na saúde dos pacientes que sofrem de doenças do foro psicológico.

Estes probióticos são capazes de produzir e distribuir substâncias neuroativas, como hormonas e neurotransmissores, que atuam no eixo cérebro-intestino.

Os probióticos mais estudados têm sido estirpes das Bifidobacterium e Lactobacillus que também podemos encontrar em derivados de leite fermentados.

Pós-bióticos

Os pós-bióticos são compostos bioativos produzidos quando as bactérias do intestino se alimentam dos tais probióticos.

São essencialmente resíduos, e a maioria dos benefícios dos probióticos vêm realmente da produção destes compostos. 

Não se podem consumir alimentos pós-bióticos, apenas garantir que a alimentação é equilibrada e variada com um trato gastrointestinal saudável.

Conclusão

Existem então vários termos utilizados e relacionados com os probióticos apesar de serem coisas diferentes. 

O mais importante é ter um consumo regular de alimentos probióticos, em conjunto com alimentos ricos em fibras prebióticas. A dieta mediterrânea padrão tem todos esses nutrientes.

Mas existem situações de alteração profunda da microbiota intestinal em que é necessária uma intervenção mais especifica, tanto no diagnóstico, como depois na abordagem alimentar e/ou suplementos para restaurar o equilíbrio.

Se sofre de alguma condição do intestino, e procura ajuda, fale comigo para saber em que poderei ajudar.

This Post Has One Comment

Deixe uma resposta