6 PRINCÍPIOS DA MEDICINA INTEGRADA FUNCIONAL

Miguel Figueiredo - Medicina Integrada Funcional

A Medicina Integrada Funcional é um conceito desenvolvido por Miguel Figueiredo, que tem como base os princípios da Medicina Funcional e em que devem assentar os fundamentos ou Pilares da Saúde.

Sobre esta matriz, são aplicadas outras abordagens não convencionais ou alternativas, mas sempre baseadas na ciência.

1 - Princípio da Individualidade bioquímica baseada na singularidade genética e ambiental​

Cada Ser é único, uma expressão e combinação genética singular, cuja forma de expressão deve ser levada em conta. Em cada indivíduo, os orgãos, sistemas biológicos e mente criam uma expressão única, a qual deve ser entendida e interpretada para ser otimizada.

2 - Cuidados centrados no paciente e não apenas na doença​

A medicina convencional é um sistema heróico, que salva milhares de vidas diariamente. 

Mas este sistema funciona apenas numa abordagem a questões agudas, como traumas e infeções. Por vezes falha ao aplicar o seu modelo para lidar com doenças crónicas, que se desenvolveram ao logo de anos ou décadas devido a estilos de vida incorrectos.

A maioria das doenças não surge do nada mas são resultado de um conjunto de abusos dos sistemas, orgãos e funções biológicas, que degeneram em inflamações crónicas e outras falhas metabólicas.

Desta forma, o foco e cuidados vão incidir primariamente sobre o indivíduo,  em todas as esferas da sua vida e não apenas na doença.

3 - Equilíbrio dinâmico entre o corpo interno e externo, mente e espírito

A nossa individualidade expressa-se através de um sistema complexo e dinâmico entre o corpo, as funções e sistemas, mente e espírito. Esta dinâmica ocorre a cada segundo e a cada escolha: o que pensamos, o que comemos, o que fazemos. Todas as escolhas terão um impacto sobre aquilo em que nos vamos tornar e como nos vamos expressar.

A cada segundo estamos a modular a nossa expressão genética e a forma como o nosso corpo reage ao ambiente.

4 - Interconexões entre os processos fisiológicos do corpo afetam todos os aspectos de funcionalidade

Todos os sistemas e estruturas estão profundamente interligados e afetam-se mutuamente. Temos que olhar para um paciente de forma integrada e cruzar os dados de todas as suas características físicas e metabólicas, predisposição genéticas, queixas, sintomas, estilos de vida, etc, para criarmos um mapa de como todas estas variáveis afetam a unicidade de cada pessoa.

5 - Saúde como um estado integral positivo e pleno, e não meramente a ausência da doença

O conceito de saúde deve ser sempre sinónimo de vitalidade, equilíbrio, energia física e acuidade mental, independentemente da idade ou fase de vida. Não nos devemos render aos fatalismos associados à herança genética ou ao envelhecimento.

6 - Otimização da reserva de órgãos como meio para melhorar a extensão de saúde ao nível quantitativo e qualitativo

Os orgãos são as estruturas que permitem o bom funcionamento de todos os sistemas e funções. Por exemplo a ligação entre o baço e o sistema imunitário; o fígado e os processos de destoxificação, reserva e metabolização  de nutrientes e enzimas.

É muito importante entender a eficácia dos orgãos, nas diferentes fases da vida, e garantir que estão a funcionar na sua plenitude, sem desgaste excessivo ou sobrecarga.

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram

This Post Has One Comment

Comments are closed.