Benefícios da dieta low carb para a diabetes

As dietas low carb têm cada vez mais reconhecimento como as melhores estratégias alimentares para o controle da diabetes.

É mesmo algo intuitivo, uma vez que definimos a Diabetes como a incapacidade do organismo em controlar de forma eficaz os níveis de açúcar no sangue, sendo os hidratos de carbono a sua principal fonte.

Conteúdos deste post

Dieta Low Carb oficialmente aceite como principal abordagem para a diabetes

Em abril de 2019, a ADA – American Diabetes Association publicou um consenso há muito aguardado, explicando que a restrição de hidratos de carbono não é apenas uma opção segura e sustentável para redução das glicemias. Na realidade, uma dieta low carb para diabetes, é mesmo a estratégia mais eficaz.

O relatório enfatiza que a alimentação é uma parte “fundamental” para o controlo da diabetes e que todas as dietas devem ser adaptadas ao indivíduo. Observa ainda que, para as pessoas com diabetes, ingerir menos alimentos ricos em hidratos de carbono é benéfico, independentemente do padrão geral de alimentação:

A redução da ingestão de hidratos de carbono para indivíduos com diabetes demonstrou a maior evidência na redução do açúcar no sangue, podendo ser aplicada numa variedade de padrões alimentares que atendem às necessidades e preferências individuais.

Uns meses depois, na conferência da Associação Americana de Educadores em Diabetes, milhares de nutricionistas, enfermeiros e outros profissionais de saúde CDE´s – Educadores Certificados em Diabetes”, começaram a receber formação sobre as dietas com restrição de hidratos de carbono,  para o controle da diabetes.

Vários trabalhos e projectos desenvolvidos por todo o mundo levaram a que uma dieta low carb passasse a ser oficialmente aceite como uma das melhores, senão a melhor, abordagem nutricional para o controle da diabetes

Novo estudo do "mundo real" confirma os benefícios da low carb

Ainda em 2019, na África do Sul, na Divisão de Ciência do Exercício e Medicina do Desporto, Universidade da Cidade do Cabo, pesquisadores recrutaram um grupo de pessoas com diabetes, que por conta própria, que já estavam a seguir uma dieta restrita em hidratos de carbono.

Embora pouco mais de um terço dos participantes comiam muito poucos hidratos de carbono (menos de 50 gramas por dia) na sua avaliação inicial, a maioria consumia algo entre 50 e 115 gramas por dia. Além disso, a sua alimentação baseava-se principalmente em alimentos minimamente processados como carne, peixe, ovos, laticínios, vegetais sem amido, sementes e óleo de coco.

Dieta low carb diabetes

Das 28 pessoas que iniciaram o estudo, 24 completaram o acompanhamento 15 meses depois.

Os resultados foram bastante impressionantes em todos os pontos do estudo:

  • A Hemoglobina Glicada – HbA1c média (uma medida do controle de açúcar no sangue a longo prazo) foi de 7,5% antes do início do regime low carb, o que diminuiu para 5,8% no inicio do estudo e permaneceu estável em 5,9% no acompanhamento.
  • 7 participantes tiveram remissão completa da diabetes, definida com uma HbA1c menor que 5,7% e sem nenhum medicamento. 3 obtiveram remissão “potencial” completa (atendendo aos critérios de acompanhamento, mas não a primeira avaliação) e 7 tiveram uma remissão parcial, definida com bHbA1c <6,5% sem outro medicamento além da metformina.
  • Das 11 pessoas que tomaram insulina antes , 8 descontinuaram completamente a insulina e 2 reduziram significativamente a dose.
  • A perda média de peso nesta dieta foi de 16 kg na primeira avaliação e o peso permaneceu estável 15 meses depois.

Nas pessoas que iniciaram o regime low carb logo após o diagnóstico de diabetes, a HbA1c caiu drasticamente de uma média de 9,5% para 5,5% no início do estudo, diminuindo ligeiramente para 5,4% no acompanhamento.

Embora as mudanças na HbA1c tenham sido mais notáveis naqueles que foram diagnosticados recentemente, do que os que tiveram diabetes por um longo período de tempo, ainda diminuiu de uma média de 7,1% antes de iniciar um regime low carb para impressionantes 6,1%, e permaneceu estável no acompanhamento. 

As pessoas com diabetes são frequentemente informadas de que sua doença é progressiva e irá agravar-se com o tempo. Este estudo mostra claramente que esse não é necessariamente o caso.

Todos os participantes do estudo afirmaram que a diabetes e qualidade de vida melhorou significativamente ou tinha sido revertida.

Consulta Diabetes Miguel Figueiredo

Uma dieta rica em proteínas e reduzida em hidratos de carbono melhora a HbA1c e a gordura hepática

Neste seguimento começaram a surgir cada vez mais estudos de qualidade, e que podem realmente estabelecer relações causa-efeito. 2019 foi um ano muito fértil nesta área e certamente que 2020 trará ainda mais e melhores ensaios clínicos e novas esperanças para milhões de pessoas.

Vou apenas referir mais um estudo, realizado no Hospital Universitário de Copenhaga, que veio reforçar ainda mais a importância de uma alimentação low carb no controle da diabetes. 

Neste estudo aleatório com grupo de controle e elevado nível de evidência, comprovou que a substituição de hidratos de carbono por proteínas e gorduras durante 6 semanas, reduziu substancialmente o teor de HbA1c e da gordura hepática em indivíduos com diabetes tipo 2. 

E até pode parecer estranho, mas o aumento de proteínas e gordura pode ter um efeito contrário  à crença popular. Que a proteína, e especialmente gordura, aumenta a gordura do fígado (esteatose hepática), devendo por isso ser evitadas. Sabemos hoje que é principalmente  consequência  de um consumo excessivo de hidratos de carbono refinados, triglicéridos elevados e resistência à insulina.

Em resumo, boas notícias, mas com precaução.

A Diabetes é uma doença crónica que afeta e mata milhões de pessoas todos os anos, e condiciona a qualidade de vida de muitas outras. É ainda uma doença com um enorme impacto financeiro sobre famílias e sistemas de saúde. 

O que aprendemos nos últimos anos sobre o controle da doença e do impacto da alimentação sobre a mesma, trás cada vez mais esperança e opções para aqueles que com ela sofrem.

As pessoas que sofrem de diabetes tipo 2 ficam com a ideia de que é algo para a vida e cuja tendência é para piorar, o que é errado. Tenho acompanhado inúmeros pacientes com diabetes tipo 2, em que conseguimos uma reversão total da doença ou um controle absoluto sobre a mesma, sem recurso a medicação e impacto sobre outros marcadores de saúde.

A nível da diabetes tipo 1, assisto a uma redução substancial nas unidades de insulina necessárias para o controle das glicemias, o que é muito gratificante, especialmente em crianças que tinham as as suas vidas e rotinas extremamente condicionadas.

Contudo, apesar de uma dieta low carb carb ser a melhor estratégia alimentar para a diabetes, não podemos esquecer que implica reduzir o consumo de um macronutriente essencial (hidratos de carbono) podendo levar a eliminar incorretamente alimentos que são ricos em outros nutrientes essenciais.

É imperativo haver um acompanhamento correto e profissional que possa fazer os ajustes necessários, garantindo não só o controle da doença, mas também níveis excelentes de saúde. Adotar recomendações e seguir dietas sem orientação é totalmente desaconselhado, podendo ter resultados negativos e mesmo graves sobre a saúde.

Várias estratégias e ferramentas podem ser aplicadas para o controle da diabetes: uma abordagem low carb ou dieta cetogénica, jejum intermitente, atividade desportiva, higiene do sono, gestão do stress, correção de carências nutricionais, suplementos, entre outras.

Entre em contacto comigo e conheça como a minha abordagem pode ajudar a controlar esta doença. Saiba mais sobre a consulta específica para a diabetes.

Share on facebook
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp
Share on telegram

Deixe uma resposta